I-Legumes

Aprenda como viver melhor através de uma boa nutrição

Legumes e Frutas mais Populares

Em Destaque

Cenoura – Conheça as suas propriedades

Alimento acessível à mesa e de fácil combinação, a cenoura vem sendo indicada como agente preventivo, de manutenção e restauração da saúde. Rica em nutrientes essenciais e outros complementares, este alimento apresenta benefícios…
Ler mais

Consulte um Nutricionista

Encontre, faça perguntas e consulte um nutricionista parceiro do i-legumes.com

Confira Já

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter para receber novidades saudáveis no seu email

[mc4wp_form]
Últimas Novidades do Blog

Fadiga extrema e dieta rica em proteína

By | Nutrição | No Comments
Dietas ricas em proteínas são um método popular para a perda de peso. Você aumenta sua ingestão de proteína e gordura, reduzindo o consumo de carboidratos, para incentivar uma mudança metabólica dentro do corpo, causando uma perda maior de peso. Mas essa alteração no metabolismo, juntamente com a restrição de carboidratos, às vezes pode levar a efeitos colaterais indesejáveis, incluindo a fadiga.Dietas ricas em proteínas

Dietas ricas em proteínas tendem a limitar a ingestão de carboidratos. Mesmo alimentos ricos em nutrientes, como frutas, vegetais e grãos integrais, são restritos a uma fração de sua ingestão diária recomendada. Essa falta de carboidratos causa cetose, uma mudança metabólica que obriga o corpo a transformar a gordura armazenada em energia. E à medida que o corpo quebra gordura, você perde peso.

Fadiga

Essa perda de peso, no entanto, pode ter um custo. Os carboidratos são a principal fonte de energia do corpo. Comer poucas frutas, vegetais e grãos integrais pode fazer com que você sinta-se fraco e cansado. E combinado a esse problema temos a cetose, que também é conhecida por resultar em fadiga, bem como uma perda de potássio. E, se os níveis de potássio caem abaixo de 3,5 mmol/L, você pode começar a sofrer de fraqueza e fadiga. Todos esses fatores podem contribuir para sentimentos de extrema fadiga.

Carboidratos

A maioria das pessoas come aproximadamente 300 ou mais gramas de carboidratos por dia. Dietas ricas em proteínas limitam a ingestão diária de carboidratos a algo entre 15 g e 60 g. Assim que você começa com o consumo de carboidratos abaixo de 130 g, seu corpo entra em cetose. É neste momento que há a possibilidade de início da manifestação de sintomas da mudança metabólica, incluindo fraqueza e fadiga.

Considerações

Aumentar a ingestão de carboidratos complexos, como frutas, vegetais e grãos integrais, muitas vezes pode combater essa sensação de fraqueza e fadiga. Muitos profissionais médicos e nutricionistas endossam dietas contendo até 15% de proteína, 60% de carboidratos e 25% a 35% de gordura para promover uma perda de peso saudável.

Recomendação

Antes de iniciar qualquer programa de perda de peso, fale com seu médico. Embora as dietas ricas em proteínas sejam consideradas como seguras, especialmente em curto prazo, sua saúde pode exigir outras modificações dietéticas para promover uma perda saudável de peso.

Dieta rica em proteína e fadiga extrema

Acne devido a um desequilíbrio hormonal

By | Nutrição | No Comments
A acne afeta a maioria dos adolescentes. Estudos revelam que até 85% das pessoas irão sofrer de acne durante suas vidas. No entanto, algumas mulheres continuam a ter espinhas na fase adulta. A acne, muitas vezes, é causada por um desequilíbrio hormonal. Felizmente, esse tipo de acne responde tanto a tratamentos convencionais de acne como a tratamentos concebidos para equilibrar os hormônios.

Significado

A acne é normalmente causada por uma combinação de vários fatores inter-relacionados, incluindo glândulas produtoras de óleo hiperativas (glândulas sebáceas) abaixo da superfície da pele, infecção bacteriana e poros entupidos. As glândulas sebáceas produzem óleo quando são estimuladas por hormônios conhecidos como andrógenos. Se uma mulher tem um nível muito alto de andrógenos circulantes em sua corrente sanguínea, esses hormônios podem estimular demais as glândulas sebáceas da pele, levando-as a produzir muito óleo. E isso causa a acne.

Função

Flutuações hormonais muitas vezes resultam em crises de acne, especialmente durante a gravidez ou em torno da época do início do período menstrual de uma mulher. No entanto, se uma mulher tem constantemente muito hormônio androgênico e o hormônio estrogênio não é suficiente, ela pode acabar com uma crise de acne grave. Isso geralmente ocorre na síndrome dos ovários policísticos (SOP), uma doença em que os hormônios da mulher estão seriamente desequilibrados. Sofredoras de SOP podem ter acne severa, crescimento de pelos faciais em um padrão masculino e ciclos menstruais anormais ou ausentes.

Efeito

Dermatologistas prescrevem, frequentemente, peróxido de benzoilo e retinol tópico (uma forma de vitamina A) para o tratamento da acne, incluindo para a acne que é causada por um desequilíbrio hormonal. Mas as mulheres têm outra opção para tentar: contraceptivos orais. As pílulas anticoncepcionais podem ajudar a reequilibrar os hormônios, reduzir a produção de andrógenos e, consequentemente, diminuir a estimulação excessiva das glândulas sebáceas.

Prazo

Contraceptivos orais trabalham lentamente para limpar espinhas e parar de formar novas lesões de acne. As pacientes não devem esperar resultados até que tenham tomado as pílulas anticoncepcionais por três meses ou mais. Além disso, a acne pode parecer pior antes de começar a limpar. É por isso que muitos dermatologistas que prescrevem contraceptivos orais para acne consideram este um tratamento em longo prazo, que provavelmente vai durar um ano ou mais.

Considerações

Dermatologistas geralmente preferem tentar outros tratamentos para a acne antes de prescrever pílulas anticoncepcionais. Além disso, os contraceptivos orais podem causar efeitos colaterais, incluindo ganho de peso, náuseas, sensibilidade mamária, dores de cabeça e depressão. Contraceptivos orais geralmente não são prescritos para mulheres que possuem mais de 35 anos, que fumam ou que têm uma história de enxaquecas ou pressão arterial elevada.

Como aumentar naturalmente os níveis de testosterona em mulheres

By | Nutrição | No Comments

Os níveis equilibrados de testosterona em mulheres são importantes em vários aspectos, e não apenas sob o lado sexual. É um hormônio comumente associado apenas com homens, mas é significativo para as mulheres também, especialmente à medida que envelhecem. A testosterona pode ajudar nos efeitos pós-menopausa comuns, como musculatura reduzida e ossos fracos, muitas vezes levando à osteoporose. O aumento natural dos níveis de testosterona em mulheres precisa apenas de algumas poucas mudanças no estilo de vida e na dieta.

Passo 1

Consuma mais proteína de qualidade em sua dieta. Comer uma pequena fonte de proteína em cada refeição, tal como carne vermelha magra, aves domésticas, peixes de água fria, tofu, leguminosas e/ou porco.

Passo 2

Adicione o suplemento de ervas ginseng em sua dieta; ele vem em forma de chá, pó ou cápsulas. Também é, por vezes, utilizado em bebidas energéticas, sucos ou suplementos nutricionais. O ginseng comporta-se como um adaptógeno, por naturalmente equilibrar hormônios sexuais no corpo através da estimulação da glândula hipotálamo. Praticantes de medicina alternativa recomendam de 250 a 500 miligramas de ginseng diariamente como um suplemento.

Passo 3

Aumente a ingestão de gorduras “boas”. Gordura, em si, não é o inimigo – é simplesmente o tipo que você escolhe que afeta sua saúde. Prefira óleos de linhaça, azeite e amendoim. Coma abacates e peixes gordos, e adicione um suplemento de óleo de linhaça ou de peixe na sua dieta. O corpo requer esses tipos de gordura para estimular a produção de testosterona, por isso, certifique-se de que de 20% a 30% das suas necessidades calóricas são atendidas por esses tipos de gorduras.

Passo 4

Limite a ingestão de álcool. O álcool perturba muitos os processos hormonais naturais do corpo. As mulheres não devem beber mais do que um copo de vinho (particularmente o vinho tinto) ou uma bebida forte por dia.

Passo 5

Tenha relações sexuais uma vez por semana para manter seus níveis naturais de testosterona. Esse não é um mito, e funciona tanto para homens como para mulheres. Os níveis de testosterona caem naturalmente depois de uma semana de inatividade sexual.

Passo 6

Adicione zinco, magnésio e vitamina B6 em sua dieta. Essas três substâncias poderosas promovem a produção de testosterona e aumentam a resposta do sistema imunológico, a capacidade de construção muscular e a agilidade mental.

Passo 7

Adicione um suplemento de vitamina C em sua dieta. Cerca de 1.000 a 1.500 miligramas de vitamina C são suficientes para o adulto médio, a menos que você sinta que pode estar ficando doente. A vitamina C ajuda a reduzir a enzima produzida naturalmente pelo seu corpo que converte a testosterona em estrogênio.

Avisos

  • Não tome esteroides, a menos que seja recomendado pelo seu médico. Esses produtos químicos fazem mais mal do que bem quando tomados com o único propósito de construção de tecido muscular.
  • Suplementos vitamínicos e minerais não irão prejudicá-lo, se ingeridos conforme recomendação. Apenas a vitamina A tem mostrado ser tóxica em níveis 10.000 vezes a mais que o nível de ingestão dietética recomendado (RDA).

Queda de cabelo e baixos níveis de testosterona

By | Nutrição | No Comments
A perda de cabelo pode ocorrer por diversos fatores, sendo um deles relacionado aos níveis de testosterona, conhecido como alopecia androgenética. É uma desordem hereditária caracterizada por desbaste de cabelo do couro cabeludo, que acontece tanto em homens como em mulheres, através de um mecanismo mediado por androgênio. Enquanto essa síndrome é tecnicamente um estado em que há baixos níveis de testosterona, de fato, o corpo está experimentando altos níveis de androgênio, devido ao mecanismo de di-hidrotestosterona (DHT), um metabolito de testosterona com efeitos androgênicos potentes.

Fisiologia do cabelo

Em um folículo de cabelo saudável, a DHT que circula se liga a receptores de andrógenos localizados em folículos pilosos. A DHT tem um efeito potente sobre esses receptores, inibindo diretamente o crescimento do folículo piloso. Isso ocorre em indivíduos normais, permitindo um controle preciso do ciclo de crescimento do cabelo.

Patogênese da perda de cabelo

A testosterona em circulação é convertida perifericamente em DHT pela enzima 5-alfa redutase. Os doentes com níveis de 5-alfa redutase elevadas podem desenvolver um estado de DHT elevada e testosterona baixa. A perda patológica de cabelo ocorre quando a DHT do indivíduo atinge níveis em que os efeitos inibitórios superam as forças estimulantes sobre o folículo piloso. Portanto, enquanto a testosterona baixa está associada com a perda de cabelo, o mecanismo patológico ocorre através dos níveis de DHT elevados. Isso resulta em cabelos progressivamente mais curtos e produção de cabelo menos pigmentado, o que, em última análise, apresenta-se como queda e perda de cabelo.

Apresentação e progressão

A alopecia androgenética apresenta-se, em homens, com recessão fio bitemporal seguida de afinamento do vértice. A progressão envolve ainda desbaste do vértice e a formação de uma mancha calva, o que pode aumentar e, finalmente, combinam-se com o recuo frontal do fio. A queda de cabelo feminina normalmente apresenta-se com um difuso afinamento frontal ou parietal do couro cabeludo, embora um aro de cabelo ao longo da linha de frente seja muitas vezes mantido.

Especialistas

O tratamento da alopecia androgenética tem sido abordado com base no conhecimento da sua patogênese. Basicamente com inibidores que têm como alvo a 5-alfa redutase, reduzindo, assim, o excesso de produção de DHT em pacientes.

Prevenção e tratamento

Até o momento, a melhor prática para tratamentos da perda de cabelo relacionada à diminuição da testosterona inclui minoxidil tópico e finasteride oral. Esses medicamentos são aprovados pela FDA para o tratamento de alopecia androgénica. Embora bastante eficazes na redução da progressão da doença, esses tratamentos permitem apenas um recrescimento de cabelo parcial, dos cabelos que já tenham sido perdidos.

Equipe i-legumes

Pedro Silva

Pedro Silva

Editor Chefe

O Pedro Silva é o editor chefe do i-legumes.com, especialista em nutrição. Ele é apaixonado por ajudar as pessoas a alcançar seus objetivos de saúde e bem-estar.

Liliana Monteiro

Liliana Monteiro

Editora

Liliana é Editora no i-legumes.com. É uma apaixonada por legumes e frutas e fã de mercados de agricultores. A Liliana particularmente adora tomate, figos frescos e qualquer coisa com abóbora! Seu amor por uma boa saúde leva-a a exercitar diariamente. Algumas de suas rotinas de treino favoritos incluem caminhada, corrida e yoga.

Valentim Bolivar

Valentim Bolivar

Editor e Escritor

O Valentim tem escrito desde 2008 no i-legumes ele trabalha como editor de fitness e saúde para o i-legumes. O Valentim é especializado em Jornalismo.

Joana Layna

Joana Layna

Escritora

A Joana trabalha como escritora e editora desde 2005, seu trabalho tem aparecido em revistas e antologias em todo o mundo. A Joana, que é licenciada em Jornalismo, atualmente se concentra em diversos tópicos, incluindo estilo de vida saudável, família, animais de estimação e nutrição.

Niki Santos

Niki Santos

Escritora

A Niki é uma nutricionista e editora no i-legumes com mais de 5 anos de experiência. Sua área de atuação é nutrição, saúde e fitness.

Cristiana Madeira

Cristiana Madeira

Escritora

A Cristiana é um escritora freelance que escreve sobre nutrição e saúde. Começou a escrever profissionalmente há cinco anos e já apareceu em inúmeras publicações.. A Cristiana gosta de um estilo de vida ativo e passa imenso tempo a fazer caminhadas.