Óleo de Argão – Propriedades Curativas

Pau D´Arco
Inhame

Conhecido como a “Árvore da Vida” pela comunidade berbere de Marrocos, a árvore do argão (argania spinosa) sustentou o povo dessas regiões áridas e o seu gado durante séculos.

As folhas e os frutos alimentam cabras, camelos e ovelhas. O gado bovino alimenta-se da polpa que resta após a extracção do óleo; os seres humanos ingerem o óleo e as cascas das nozes são usadas para combustível.

O óleo de argão é produzido a partir do miolo da árvore e é um dos óleos mais raros e caros do mundo. As mulheres berberes utilizaram durante séculos o óleo de argão para proteger e nutrir a pele, o cabelo e as unhas contra as duras condições em que vivem.

Actualmente, o óleo de argão está a ganhar popularidade como um “ingrediente milagroso” na indústria ocidental de produtos de beleza. Possui níveis extremamente elevados de vitamina E e 80% de ácidos gordos que o tornam perfeito para curar muitas doenças de pele e para proteger contra o envelhecimento precoce causado pela oxidação.

Cura e Protecção

As substâncias activas denominadas “triterpenóides” existentes no óleo de argão oferecem benefícios extraordinários para a protecção da pele, os quais incluem propriedades de cicatrização dos tecidos, propriedades antiinflamatórias, desinfectantes e protectoras contra os efeitos do sol.

O óleo contém 80% de ácidos gordos insaturados e é mais resistente à oxidação do que o azeite. O óleo de argão contém também 0,8% de insaponificáveis (um grande grupo de compostos conhecidos também como esteróis vegetais ou esterolinas). As esterolinas melhoram o metabolismo da pele, reduzem a inflamação e estimulam uma excelente retenção de humidade.

Anti-envelhecimento

O óleo de argão é considerado um óleo de anti-envelhecimento eficaz devido às suas propriedades, como os elevados níveis de vitamina E / tocoferóis (os anti-oxidantes ajudam a neutralizar os danos provocados pelos radicais livres, o que é importante para a pele exposta aos ambientes poluídos do Ocidente) e saponinas (agentes que amaciam a pele). Além de arrefecer e acalmar a inflamação, possui também a reputação de ajudar a reduzir as rugas da pele, restaurando a camada hidrolipídica da pele.

Propriedades Medicinais

O óleo de argão contém esteróis vegetais raros (escotenol e espinasterol), que não são encontrados noutros óleos. Acredita-se que estes fitoesteróis são únicos no seu conjunto, e que não existem outros óleos vegetais com uma composição de fitoesterol comparável. No geral, os fitoesteróis reduzem a inflamação e ajudam a bloquear a absorção do colesterol dos intestinos. Os fitoesteróis apresentam também propriedades anticancerígenas.

O óleo de argão facilita a digestão, aumentando a concentração de pepsina no suco gástrico. O óleo contém flavonóides que funcionam como um antiinflamatório natural, quer ao nível interno quer ao nível externo.

O óleo é considerado extremamente benéfico para as doenças artríticas ou reumáticas.

É bom para reduzir os níveis de colesterol, ao estimular a circulação e fortalecendo a imunidade natural do organismo.

É usado para aliviar problemas de pele como a varicela, a acne, a psoríase e eczemas secos. É ainda utilizado para prevenir as estrias durante a gravidez.

Tradicionalmente, também se considera que o óleo de argão possui propriedades afrodisíacas e tónicas.

 Factos Interessantes do Óleo de Argão

Os bosques de árvores de argão vivem entre 125 e 450 anos, pelo que constituem uma valiosa herança para as gerações futuras.

O óleo de argão tem um teor de gordura parecido com o do azeite e é utilizado para fins semelhantes. O óleo de argão é muito mais caro do que o azeite. Contudo, a árvore do argão vive mais tempo do que a oliveira e não requer cultivo.

Tradicionalmente, as mulheres berberes locais colhem as sementes e pressionam-nas para obter o óleo de argão para uso doméstico. Este é um processo trabalhoso que leva cerca de 12 a 20 horas de processamento manual de modo a produzir um litro de óleo. O óleo produzido por este método irá manter-se durante 3 a 6 meses, dado que tem níveis extremamente elevados de vitamina E e é considerado estável relativamente à oxidação. Quando necessário, as famílias marroquinas produzem o óleo com as reservas de miolo que se conservarão durante 20 anos, se estiverem seladas.

Pau D´Arco
Inhame

Poste um comentário

Leia o post anterior:
História do Trigo Sarraceno

O nome “buckwheat” (trigo sarraceno) como é conhecido nos Estados Unidos pensa-se que terá derivado da palavra holandesa “bockweit”.

Fechar