Foto Batata #3
Tomilho

O trevo vermelho (Trifolium Pratense) é uma planta silvestre que é usada para a criação de gado e outros animais.

Também tem sido utilizada medicinalmente para tratar uma série de doenças.

Tradicionalmente, estas incluem o cancro, tosse, problemas respiratórios e inflamações da pele, como a pesoríase e a eczema.

O trevo vermelho foi cogitado para “purificar o sangue”, agindo como um diurético (ajudar o organismo a livrar-se do excesso de líquidos), expectorante (auxiliar a limpar os pulmões e as mucosas), melhorando dessa forma a circulação sanguínea e auxiliando a expurgar o fígado.

Testes científicos modernos têm demonstrado que o trevo vermelho contém isoflavonas, substâncias à base de plantas que produzem efeitos similares ao estrogénio (o estrogénio são esteróides com 18 átomos de carbono que mostram as actividades nos mamíferos e apesar de serem considerados como hormonas sexuais femininas, também se encontram, em pequena quantidade, nas gónadas sexuais masculinas) no corpo.

As isoflavonas têm demonstrado enorme potencial no tratamento de uma série de situações associadas com a menopausa, a saúde cardiovascular e a osteoporose.

No entanto, os investigadores aperceberam-se de efeitos colaterais que a toma de estrogénio pode originar, havendo também alguma preocupação sobre a segurança das isoflavonas, daí que a prova de que o trevo vermelho ajuda a reduzir os sintomas da menopausa – tais como ondas de calor – é algo ambígua.

O trevo vermelho é uma erva perene, que cresce geralmente de forma selvagem nos prados de toda a Europa e Ásia, tendo já sido adaptada na América do Norte.

As flores vermelhas no final do caule ramificado, são geralmente secas, servindo para uso terapêutico.

Nomes alternativos:

Beebread; Trevo de Vaca, Capim de Vaca; Trevo Meadow; Trevo Purple; Trifolium Pratense.

Foto Batata #3
Tomilho