Doenças que causam sede excessiva

Desidratação e exercícios físicos
Relação entre vitaminas e doenças arteriais
Polidipsia é o termo médico para a sede excessiva. As condições que causam perda extrema de fluidos do corpo podem provocar sede em demasia. A água do corpo pode ser perdida através de micção desmoderada, vômitos, diarreia, transpiração e aumento da temperatura corporal. Uma variedade de condições pode causar um déficit de água corporal total e uma sede excessiva.

Diabetes Mellitus descontrolado

Diabetes mellitus causa níveis de açúcar no sangue anormalmente elevados, se não for controlado com medicação. Normalmente, os rins conservam o açúcar na corrente sanguínea e ele não é excretado na urina. No entanto, quando o açúcar no sangue é anormalmente alto, os rins são incapazes de lidar com essa sobrecarga. Nessa circunstância, o açúcar é excretado pela urina, levando consigo uma grande quantidade de água corporal para poder ser diluído. O corpo é deixado em um estado de depleção de água, causando sede excessiva. Essa sede em demasia, juntamente com aumento na frequência de micção, perda de peso e fome são os sintomas clássicos de diabetes mellitus do tipo 1 não diagnosticado. Pesquisas revelam que mais de 15 mil crianças são diagnosticadas com diabetes tipo 1 anualmente nos Estados Unidos.

Diabetes Insipidus

Os rins são os órgãos que controlam o equilíbrio hídrico no corpo, excretando o excesso de água, quando presente, e conservando a água quando os níveis do corpo são baixos. Embora os rins façam o trabalho, a regulação do equilíbrio da água é controlada pelo hipotálamo, uma pequena glândula no cérebro. O hipotálamo secreta hormônio antidiurético, que atua sobre os rins causando a conservação da água. Com diabetes insipidus, o hormônio antidiurético não é produzido em quantidades suficientes ou o rim não responde a ele. Em ambos os casos, os rins excretam quantidades excessivas de água, causando sede crônica e excessiva. A falha do hipotálamo em produzir hormônio antidiurético suficiente é uma condição rara. A prevalência do diabetes insipidus hipotalâmico é de aproximadamente uma em cada 25 mil pessoas.

Desidratação

Muitas doenças podem causar uma perda aguda de água corporal, uma condição chamada desidratação. A intoxicação alimentar e outras doenças diarreicas, exaustão por calor, queimaduras e infecções que causam febre alta são exemplos. À medida que a água do corpo total diminui, os sintomas aparecem, incluindo boca seca, fadiga, vertigem, confusão e sede extrema. Na desidratação moderada a grave, podem ocorrer náuseas e vômitos, complicando a substituição do fluido. Se os líquidos não puderem ser tomados por via oral, podem ser necessários líquidos intravenosos. A desidratação grave pode ser fatal. Dados indicam que mais de 500 mil crianças morrem anualmente em todo o mundo em consequência do rotavírus, a causa mais comum de mortes relacionadas à diarreia em crianças. Perdas maciças de água corporal total e a desidratação resultante são as principais causas de morte.

Desidratação e exercícios físicos
Relação entre vitaminas e doenças arteriais

Poste um comentário

Leia o post anterior:
Relação entre vitaminas e doenças arteriais

A doença arterial pode restringir o fluxo sanguíneo normal e prejudicar a função da artéria e é uma causa comum...

Fechar