Mel para alergias e asma

Por setembro 11, 2017 Taís Sem Comentários
Os benefícios do ácido gama-linolênico
Salsa melhora a digestão?

É uma noção popular que comer mel, especialmente se for de cultivo local, é um remédio natural para alergias e asma. Na verdade, o pólen de abelha – disponível sem receita médica na maioria das lojas de produtos naturais – é comumente comercializado como um remédio natural para a alergia e um agente anti-inflamatório.

Outros nomes para o pólen de abelha disponíveis comercialmente incluem geleia real e própolis. A teoria por trás do uso de mel é que ele transporta vários ingredientes, incluindo alérgenos e componentes do pólen de abelhas.

Esta é uma questão importante, considerando que, só nos Estados Unidos, 40 milhões de americanos lidam com alergias sazonais ao pólen de alguma forma. No entanto, ele funciona?

Estudos sobre mel e alergias

A fim de determinar se uma terapia funciona, ela deve ser comparada com um placebo. Existem apenas dois estudos bem concebidos observando especificamente o papel do mel na rinite alérgica (febre dos fenos).

Um estudo comparou dois tipos diferentes de mel (os produzidos localmente e os produzidos nacionalmente) contra placebo em pessoas com alergia ao pólen. Infelizmente, não houve diferença nos sintomas de alergia entre os três grupos de participantes do estudo. Foi interessante, no entanto, que quase um em cada três dos voluntários abandonou o estudo porque não podia tolerar comer uma colher de sopa de mel todos os dias devido ao sabor excessivamente doce.

Em outro estudo, havia algum benefício relacionado com o consumo de mel. Aqueles que comeram mel (um grama de mel para cada quilograma de peso corporal diariamente) melhoraram os sintomas da rinite alérgica, quando comparado com aqueles que comeram quantidades semelhantes de xarope de milho com sabor de mel.

O consenso neste momento é de que mais estudos são necessários para investigar os possíveis benefícios do mel para o tratamento de alergias.

Por que mel produzido localmente?

O mel produzido localmente, que supostamente contém pólen de plantas locais as quais uma pessoa poderia ser alérgica, pensa-se ser o tipo preferido de mel para as alergias. Faz sentido que o consumo do mel que contém pólen de uma planta que a pessoa é alérgica melhore as alergias, bem como uma imunoterapia sublingual (gotas de alérgenos tomadas debaixo da língua) funciona. E o fato de muitas pessoas terem experimentado anafilaxia (uma reação alérgica grave e com risco de vida) ao comer mel significa que pode haver pólen suficiente para estimular o sistema imunológico.

Comer mel para alergias pode ser perigoso?

Pode-se argumentar, com base nesses estudos, que não faz mal tentar o mel para casos de alergia, mas é importante notar que o mel pode, embora raramente, causar reações alérgicas graves (anafilaxia) em pessoas que tendem a ter alergias. Assim, embora consumir mel local para suas alergias possa soar como uma boa ideia, pode-se argumentar também que o consumo de mel pode aumentar o risco de uma reação alérgica grave. Nesta linha de pensamento, aqueles que vivem com alergias podem ser as pessoas que são mais sensíveis às reações que ameaçam a vida ao comer mel produzido localmente, devido ao teor de pólen e veneno deste alimento.

Os benefícios do ácido gama-linolênico
Salsa melhora a digestão?

Poste um comentário

Leia o post anterior:
Salsa melhora a digestão?

Salsa (Petroselinum crispum) é uma erva por vezes utilizada para fins medicinais. Normalmente consumida como um alimento, está também disponível...

Fechar