O grão-de-bico pode reduzir o colesterol?

A toranja ajuda na digestão
Fatores que podem provocar o aparecimento de rugas

Tradicionalmente encontrado em cozinhas orientais asiáticas e no Mediterrâneo, o grão-de-bico (Cicer arietinum) – também conhecido como feijão-de-bico – tem ganhado força como uma adição popular para uma dieta saudável ao longo dos anos. O grão-de-bico, como outras leguminosas, estão repletos de nutrientes – incluindo proteína, fitoesterois e fibra solúvel. Em certas formas da medicina chinesa, o grão-de-bico também é usado para tratar uma variedade de doenças.

Os estudos mostraram também que o grão-de-bico pode ser usado para manter a saúde digestiva e os níveis de glicose no sangue saudáveis em diabéticos. Alguns desses estudos também estão mostrando que o grão-de-bico pode ajudar a reduzir certos aspectos do seu perfil lipídico.

Grão-de-bico e colesterol

Não há muitos estudos que examinaram o efeito que o consumo de grão-de-bico tem nas taxas de lipídios, mas os resultados até agora parecem promissores. Nestes estudos, o grão-de-bico foi consumido como parte de uma dieta saudável, substituindo calorias provenientes de gorduras e carboidratos na dieta de pessoas saudáveis com níveis de colesterol ​​ ligeiramente elevados. A quantidade média de grão-de-bico consumido diariamente foi de 140 gramas.

Esses estudos verificaram que o consumo de grão-de-bico resultou na redução dos níveis totais de colesterol em até 4%, enquanto as lipoproteínas de baixa densidade (LDL) foram reduzidas em pelo menos 3%.

Para sentir os efeitos encontrados nesses estudos, você precisaria consumir grão-de-bico todos os dias por cerca de 5 a 20 semanas. Cientistas que investigam a relação entre o grãp-de-bico e o colesterol suspeitam que haja dois ingredientes que contribuem para a capacidade desta leguminosa em contribuir para níveis mais baixos de colesterol: gorduras insaturadas e fibra.

Separadamente, ambos estes componentes têm mostrado reduzir os níveis de colesterol em outros estudos.

Ponto de partida

Embora não haja uma grande quantidade de estudos que examinaram os efeitos que o consumo de grão-de-bico tem sobre os níveis de colesterol, há alguma evidência de que esta leguminosa pode ser capaz de ajudar a diminuir um pouco os níveis de colesterol total e LDL. Isso, juntamente com a sua composição – que consiste em gorduras insaturadas, fibras, carboidratos complexos, folato e minerais –, qualificam o grão-de-bico como um bom complemento em uma dieta saudável para o coração. O grão-de-bico também pareceu aumentar a sensação de plenitude em um par destes estudos – o que pode minimizar a procura por lanches logo após o consumo de uma refeição contendo essa leguminosa. Há muitas maneiras saudáveis de adicionar o grão-de-bico em sua dieta de redução de lípidos.

Por outro lado, o grão-de-bico também pareceu aumentar certos efeitos colaterais gastrointestinais em alguns desses estudos, tais como mudanças nos hábitos de fezes e inchaço, o que pode ser incômodo para algumas pessoas. Além disso, alguns indivíduos nessas pesquisas tiveram dificuldade em atender os requisitos de consumir 140 gramas de grão-de-bico por dia, por causa da plenitude adquirida após as refeições.

A toranja ajuda na digestão
Fatores que podem provocar o aparecimento de rugas

Poste um comentário

Leia o post anterior:
É seguro levar o meu bebê à igreja?

Depois que seu bebê nasce, amigos e familiares ficam ansiosos para conhecê-lo – o que inclui a sua família da...

Fechar